Júri

Júri | Jury

António Rosa (Presidente do Júri e Diretor Artístico)

Nasceu em Coimbra em 1977. Natural de Vestiaria (Alcobaça), estudou no Conservatório Nacional de Música de Lisboa, Escola Profissional de Música de Almada e é licenciado pela ESMAE, na classe do Professor António Saiote, onde lhe foi atribuído o Prémio Fundação Engenheiro António de Almeida (melhor aluno de cada instrumento em cada ano). Vencedor dos concursos Jovens Clarinetistas, Porto 2000, Marcos Romão dos Reis, Loures 2001, I.C.A., Estocolmo (Suécia) 2002 e Concurso Internacional de Clarinetes de Montroy, Valência (Espanha) 2003.

Membro fundador do Quarteto de Clarinetes do Porto, Horizontes Trio, Marchen Trio, é Solista da Orquestra Nacional do Porto desde janeiro de 2002 e no corrente ano letivo Professor de Clarinete na Escola Superior de Música e das Artes do Espetáculo do Porto. Lançou em janeiro de 2007 e março de 2012 os seus trabalhos discográficos – Projeto XXI – assente em obras de compositores Portugueses contemporâneos para Clarinete e Piano, com o pianista António Oliveira. Em outubro de 2007 obtiveram o prémio para o melhor grupo de Música de Câmara do Festival Internacional de Lleida, Espanha.

Participou com o Projecto XXI em vários espetáculos em Portugal e Espanha e também no Congresso Internacional de Clarinetes como em Vancouver 2007, Canadá, Kansas City 2008, EUA. Empreendedor por natureza, criou em 2008 o projeto “Tempos de Vanguarda”, um conjunto de atividades culturais ligadas à música e às artes em geral, dando especial ênfase à performance ao vivo com artistas de grande qualidade, aos projetos educativos e a criação regular de novas obras e desafios a vários autores da atualidade. Mentor e Diretor Artístico do Concurso Internacional de Música de Câmara “Cidade de Alcobaça”.

António Saiote (ESMAE – Escola Superior de Música, Artes e Espetáculo, Porto)

Nascido em Loures, Portugal, António Saiote é um artista e pedagogo reconhecido mundialmente. Foi solista na orquestra do Teatro Nacional de São Carlos, na Orquestra Régie Sinfonia, assim como membro do Grupo de Música Contemporânea de Lisboa com Jorge Peixinho, durante 11 anos. Para além disso formou e inspirou vários grupos de música de câmara, tendo sido diretor dos Solistas do Porto.

Foi solista convidado dos congressos mundiais em EUA, Bélgica, França, Suécia e Japão e atuou ou ensinou em mais de vinte Países da Ásia, Europa, América e África. Desde 1998 desenvolve paralelamente uma profícua carreira de maestro tendo dirigido várias vezes a Sinfónica Portuguesa, Orquestra Clássica do Porto, Filarmónica das Beiras, Orquestra Académica, ESMAE, Sinfónica de Zurique, Festival de Oviedo, Orquestra Nacional do Porto, Orquestra do Norte, Símon Bolívar, Orquestra da Comunidade de Madrid, Gran Mariscal Ayacucho, Orquestra do Teatro Municipal de Caracas, Maracay, San Felipe, Harmos Festival e Musicalta.

Terminou um MPHIL em Direção de Orquestra, na Universidade de Sheffield. É diretor artístico do Festival e Academia de Guimarães. A convite de Sequeira Costa foi membro do júri do Prémio Viana da Mota, na sua 50ª edição. Membro do Júri nos prestigiados concursos de Varsóvia, Caracas, Kortrik, Gand, Brasília, Toulon, Constancia, Sevilha e presidente do Valentino Buchi em Roma.

Colabora regularmente como pedagogo, solista e maestro com o Sistema Venezuelano de Orquestras Infantis e Juvenis. Foi assistente do Maestro Ivo Cruz na Orquestra Clássica do Porto. Em 2009 organizou o Congresso Mundial de Clarinetes do Porto. Atualmente é professor na ESMAE (Porto) e diretor artístico da orquestra sinfónica, assim como membro fundador da Ópera Norte. Em 2011, atuou na Costa Rica, em Oviedo e Madrid para os príncipes das Astúrias, Polónia, França, China, Peru, Venezuela e Brasil. Em 2012, estará na Polónia, França, Espanha, Colômbia, Venezuela, México e China.

Jonathan Luxton (Orquestra Gulbenkian e Escola Superior de Música de Lisboa)

Jonathan Luxton nasceu em Inglaterra em 1959. Começou a estudar a trompa aos doze anos de idade. Em 1976 iniciou estudos particulares com James Brown em Londres, ingressando na Royal Academy of Music no ano seguinte. Ainda aluno, foi Primeiro Trompa na Orquestra Juvenil da Comunidade Europeia, sob a direção de Claudio Abbado e Daniel Barenboim. Em 1981, Jonathan Luxton iniciou a sua carreira profissional, tendo tocado com a Orquestra Sinfónica de Londres, a City of Birmingham Symphony e a Royal Philharmonic Orchestra, entre outros. Participou também em concertos de música de câmara, no Festival de Edimburgo e em concertos organizados pela BBC. Desde 1984, Jonathan foi Primeiro Trompa Solista da Orquestra Gulbenkian, tendo-se apresentado como solista em varios digressões internacionais e gravações realizadas por esta orquestra. Também foi professor de trompa na Escola Superior de Música de Lisboa e membro do Quinteto de Sopros “Amadeus”, “Hot Brass de Portugal” e “Trompas do Tejo”.

Miquel Bernat (Drumming, ESMAE e ESMUC, Barcelona)

Miquel Bernat, percussionista, é um dos maiores dinamizadores da cena internacional, contribuindo fortemente para a divulgação e solidificação da percussão, abrangendo no seu trabalho os mais diversos tipos de música que vai desde o erudito, experimental com eletrónica até ao meio popular e vernacular interagindo com diversas áreas artísticas.

Estudou nos conservatórios de Valência, Madrid, Bruxelas e Roterdão e frequentou o Aspen Summer Music Course em USA.

Foi laureado com o “Prémio Extraordinário Final de Curso” dos conservatórios de Madrid e de Bruxelas, o Prémio Especial no Gaudeamus na Holanda em 1993, bem como o segundo prémio do Aspen Nakamichi Competition (EUA).

Músico de grande versatilidade, tocou na Orquestra Ciutat de Barcelona e Royal Concertgebouw Orchestra de Amesterdão. Foi membro do Duo Contemporain de Roterdão e fundador do Ictus Ensemble de Bruxelas, com o qual tem vindo a fazer variados espetáculos (em alguns deles tocando como solista) com a coreógrafa A. T. de Keesrmaeker da Cia. Rosas.

Solista em incontáveis recitais por todo o mundo, destacamos as estreias mundiais dos Concertos de Percussão de David del Puerto, César Camarero, Luis de Pablo, Mauricio Sotelo e Joan Guinjoan, como solista com a Orquesta de Cadaqués (Espanha), Orquestra Nacional do Porto, Orquesta de la Comunidad de Madrid, Orquesta Sinfónica de Murcia, Orquesta de la Radio Television Española (RTVE), Borusan Orchestra de Istambul (Turquia), Cyprus Symphony Orchestra (Chipre), MusikFabrik (Aemanha), Remix Ensemble (Portugal), etc.

Estreia no IRCAM/Centre George Pompidou de Paris, “Mantis Walk in a Metal Space” de Javier Alvarez, primeiro concerto mundial de Steel Drums com o Ictus Ensemble e destaca-se a sua participação como solista junto ao conceituado barítono Spyros Sakkas na música cénica “Oresteia” de Iannis Xenakis em festivais como Radio France de Montpellier, Estambul Festival, Cyprus Festival, Auditorio Nacional de Madrid etc.

A sua carreira como pedagogo passa como professor nos Conservatórios de Música de Roterdão e Bruxelas. Seguidamente cria o primeiro curso superior de Percussão de Portugal (ESMAE) do Porto. É também professor na ESMUC de Barcelona.

Tem sido convidado como professor nos International “Summer Course for New Music” de Darmstadt, no “El Sistema de Orquestras de Venezuela” (FESNOJIV), no Instrumenta de Oaxaca, e em CIVEBRA de Brasília e UNICAMP de Campinas.

Funda no Porto o Drumming-GP, um dos grupos de percussão mais dinâmicos da cena e crítica internacional e residente do Porto 2001-Capital Europeia da Cultura.

Encontra-se a criar uma coleção de Estudos de Concerto para Marimba em estreita colaboração com compositores conceituados, que publicará em 2015 na Editorial “Tritó” de Barcelona.

Miquel Bernat é um apaixonado pela criação atual, assim como, um dos exponentes mais comprometidos com a expansão da arte da percussão.

Luís Magalhães (Universidade de Stellenbosch, África do Sul)

Descrito como detentor de um “som maravilhosamente completo” (American Record Guide) e de uma “técnica polida e refinada” (AllMusic), o pianista Luís Magalhães, radicado em Stellenbosch, alcançou a aclamação da crítica tanto como solista e músico de câmara. Como uma das metades do duo Schumann-Magalhães, mais conhecido como TwoPianists, Luís Magalhães lançou ainda três CDs laudados pela crítica, prevendo-se um outro que será lançado em breve em meados de 2015. Esta colaboração com a sua esposa, Nina Schumann, foi comparada aos duos Ashkenazy-Previn e Argerich-Freire (American Record Guide).

Luís Magalhães foi agraciado com o grau Doutor em Música pela Universidade da Cidade do Cabo em 2011, e atualmente ocupa uma cadeira na Universidade de Stellenbosch. Luís Magalhães também tem orientado inúmeras Masterclasses, incluindo aulas na lendária Juilliard School de Nova Iorque e em diversas universidades de toda a Europa, Ásia e Estados Unidos. Como pianista experimentado e educador, Luís Magalhães tem igualmente participado no júri de vários concursos de piano, incluindo a prestigiada Competição Internacional de Piano para Jovens Músicos Tchaikovsky. Luís Magalhães é um Artista Internacional Yamaha.

Vicente Chuaqui (Conservatório de Música do Porto)

Natural de Santiago do Chile, Vicente Rosas Chuaqui iniciou os seus estudos de violoncelo aos seis anos de idade no Instituto de Música da Universidade Católica do Chile, com Roberto González Lefebvre. Paralelamente, trabalhou também, sob a orientação de Janos Starker, Bernhard Michelin e Boris Pergamenchikov, tendo-se estreado como solista aos 12 anos, com a Orquestra de Câmara da Universidade Católica do Chile.

Em 1986, foi admitido como aluno no Conservatório Tchaikovsky de Moscovo, na classe de Natalia Shakhovskaya. Seguiu desde então o seu percurso solístico, tendo sido convidado para tocar a solo com diversas orquestras, tais como a Orquestra de Santo Domingo, a Orquestra Pro-Música do Chile, a Orquestra do Conservatório de Moscovo, a Orquestra Clássica do Porto, Orquestra Sinfónica Casa da Música, Orquestra do Ministério da Educação do Chile e Orquestra Rádio Televisão Espanhola.

Apresentou-se em recitais a solo e música de câmara em diversas cidades do Chile, Rússia, Alemanha, Espanha, Suécia e Portugal. Tem também desenvolvido uma intensa atividade pedagógica, sendo regularmente convidado a orientar Masterclasses em Portugal e no estrangeiro. Atualmente é professor de violoncelo no Conservatório de Música do Porto e chefe de naipe Solista da Orquestra Sinfónica Casa da Música.

Os comentários estão fechados